Negócios Sustentáveis

Estudo do Idec avalia bancos por práticas de responsabilidade socioambiental

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – Idec acaba de divulgar a nova edição do Guia de Bancos Responsáveis – GBR, cujo objetivo é promover a responsabilidade socioambiental dos bancos com apoio e mobilização dos consumidores. Essa segunda edição do GBR aponta para a necessidade dos bancos darem maior abertura de informações a respeito dos resultados alcançados pelas políticas socioambientais, que afirmam praticarem na realização de seus negócios, no relacionamento com seus clientes e funcionários.

Após o lançamento do primeiro GBR, em dezembro de 2011, o Idec submeteu aos bancos uma avaliação sobre a metodologia desse Guia, que resultou em contribuições para o aperfeiçoamento da versão do GBR ora lançada. Contudo, não se verificou avanço no quesito da transparência dos bancos ao prestarem contas aos públicos de interesse a respeito de suas políticas de responsabilidade empresarial.

Por meio do GBR os consumidores podem acompanhar o desempenho dos maiores bancos do país, utilizando as informações dessa ferramenta de avaliação para melhor orientar suas escolhas e exigir mudanças positivas de seus bancos. Para a elaboração do GBR o Idec analisou as seguintes instituições: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú-Unibanco, Bradesco, Santander e HSBC. Juntos esses bancos representam cerca de 90% do total do setor bancário brasileiro, quer em número de agências, como de depósitos e de operações financeiras. O GBR apresenta um ranking baseado na avaliação de um questionário respondido por esses seis bancos, no qual questiona-se sobre as políticas referentes aos consumidores, trabalhadores e critérios socioambientais para concessão de financiamentos. O ranking geral ficou assim: Banco do Brasil, bom; Caixa, Itaú e Santander, regulares; Bradesco e HSBC, ruins (o conceito máximo é 'muito bom').

Ao acessar o site do GBR, os consumidores podem conferir o ranking geral dos bancos, a avaliação de cada um deles em cada um dos quesitos analisados, e também consultarem o Relatório Geral da Pesquisa e as respostas dos bancos ao questionário. Além disso, há a seção de Casos Polêmicos, onde os consumidores podem saber detalhes sobre projetos controversos, do ponto de vista socioambiental, financiados pelos bancos nos últimos cinco anos. No site o consumidor recebe orientações sobre como mudar de banco.

É inequívoca a contribuição do GBR, tanto para mobilizar os consumidores, quanto para os bancos incorporarem efetivamente as questões socioambientais em suas estratégias de negócios e aperfeiçoarem o diálogo com seus stakeholders.

Conheça o GBR aqui.

A respeito da transparência sobre políticas socioambientais dos bancos leia também o nosso post 'Banco Central obrigará instituições financeiras a estabelecer política socioambiental' de 26/06/2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário